Principal Quem Somos Áreas de Atuação Clientes Atualidades Contato Links Busca
   Fazendas Reunidas Boi Gordo S.A. - Falência
Falência
Proposta de Trabalho
Formulários de Adesão
Tabela de Honorários
Notícias Boi Gordo
Dúvidas Freqüentes
Prezado/a Investidor/a

A concordata preventiva, requerida perante a comarca de Comodoro, Mato Grosso, no dia 15 de outubro de 2001, recebida, foi redistribuída para a 1ª Vara Cível de São Paulo / SP, onde, em definitivo, será processada até o seu integral cumprimento ou, se caso, convertida em falência.

Em quaisquer das hipóteses, da concordata ou da falência, o investidor da Boi Gordo, para que não sofra prejuízos maiores, além do tempo e da falta de disponibilidade do dinheiro investido, deve urgentemente habilitar o seu crédito, retificando, para acrescentar todas as obrigações contratuais(42% + valor da arroba na data do abate; etc...).

Todos os créditos sujeitos à concordata, entre eles a dos investidores na empresa Boi Gordo, seja através dos contratos de boi magro, ou de vaca ou outro, mensal ou não, vencido ou a vencer, serão pagos pela empresa concordatária em duas parcelas anuais, sendo a primeira no valor correspondente a 40% (quarenta por cento) do crédito e a segunda, no valor correspondente a 60% (sessenta por cento).

Os valores de crédito dos investidores, no entanto, relacionados pela empresa Boi Gordo, não estão corretos, pois foram relacionados apenas os valores aplicados, originários, sem qualquer acréscimo, nem mesmo aquele garantido em contrato ou o valor da arroba do dia do pedido de concordata, nem a eventual correção monetária e juros legais.

Na hipótese de o crédito não ser habilitado corretamente, o investidor receberá somente o valor constante da relação de credores, que, como dito, é o valor aplicado originariamente, menos a taxa agropastoril, de 10% (dez por cento), que, inclusive, foi cobrada antes da prestação do serviço contratado. Injustificada a apropriação de valores por parte da empresa concordatária, gerando-lhe enriquecimento imotivado, que nós, como credores, não podemos permitir que ocorra. Dentro deste espírito é que estamos nos mobilizando, patrocinando um grupo de credores, objetivando reivindicar os seus efetivos e legais direitos.

É fato que a empresa tem o direito de requerer a concordata, ante os seus problemas financeiros; está na lei. Os investidores, da mesma forma, têm o direito de reclamar os investimentos (valor investido + engorda garantida + valor arroba no abate) devidamente corrigidos, bem como de fiscalizar as atividades da empresa e o correto cumprimento da concordata, conforme estabelecido na mesma lei.

Objetivaremos realizar um preciso controle das atividades da empresa Boi Gordo, tanto administrativa, como operacional e financeiramente, através de profissionais habilitados, retificando a essência da atividade, corrigindo o rumo dos investimentos, que nunca deveria ter se apartado da engorda e comercialização do boi magro; da melhora de qualidade do rebanho; da criação adequada de vacas e afins. Investir em terra ou comercializar fazendas é imobilizar um capital que contraria a natureza do investimento pretendido pelos investidores.

Na essência, queremos recuperar os valores dos investidores que, certamente, muito lhes custaram, sendo fruto de muito trabalho, por vezes, reunido por toda uma vida.

Nossos honorários serão cobrados na proporção dos valores recebidos, exclusivamente, em percentual fixo, sendo que mensalmente, para fazer frente aos custos do acompanhamento do processo e demais providências, será devida uma pequena contribuição pecuniária, conforme tabela anexa. Para a sua adesão, no item Formulários de Adesão, apresentamos os formulários necessários que, preenchidos individualmente, por investidor, deverão ser remetidos juntamente com os documentos relacionados no mesmo item, em duas cópias autenticadas, assim como a respectiva procuração judicial, que deverá ter a firma reconhecida em cartório.

Acreditamos na condição de recuperação de nossos investimentos e vamos trabalhar com dedicação para este fim, mesmo na hipótese de falência.

Patrimônio existe, assim como condição de responsabilizar os sócios; a comissão de valores Imobiliários (CVM); como o contadores e empresas de auditoria.

CAIUBY GUIMARÃES ADVOGADOS ASSOCIADOS
Ivan Caiuby Neves Guimarães
e.mail: caiubyadvogados@caiubyadvogados.adv.br

 
enviar imprimir